MARIANA GONÇALVES 

 sobre 
Imagem8_edited.jpg

sobre

Mariana Gonçalves (1993) é natural de São Paulo e após concluir sua graduação em Artes Visuais na UNICAMP permaneceu em Campinas até 2020. Atualmente vive e trabalha em São Paulo, onde mantém um espaço de ateliê aberto na Vila Madalena onde o público pode experimentar seus trabalhos.

Sua produção é focada no campo tridimensional e na relação sensória entre espectador e obra. Elementos do que é íntimo, visceral, formas que se assemelham a órgãos e estruturas biológicas vegetais são recorrentes nos trabalhos. O tecido com suas múltiplas texturas tem sido utilizado como principal suporte para desenvolver sua pesquisa.

Teve formação complementar em cursos de costura e técnicas manuais na Couture Lab (SP) e no Textile Arts Center em Nova York (EUA). Participou do festival de arte Paratíssima em Lisboa (2016) e do Festival do Instituto de Artes da Unicamp (2019). Performou no CCSP (Centro Cultural São Paulo) como parte do projeto Corpo e Paisagem (2019).

Em 2020 fez parte do grupo de acompanhamento de artistas com Julie Belfer e expôs na Galeria TATO com a exposição coletiva “Segundo Plano”. Em julho de 2021 participou da residência artística Kaaysá LAB 1 em Boiçucanga com coordenação do curador Márcio Harum. Atualmente faz acompanhamento de processos com a curadora Julia Lima e o artista visual Bruno Novaes.

apresentação

"Partindo da organicidade do corpo e de desejos táteis específicos procuro viabilizar sensações nas formas.  
Elementos do que é íntimo, visceral, formas que se assemelham a órgãos e estruturas biológicas vegetais são recorrentes nos trabalhos. A escolha das texturas e cores sempre procura contemplar um desejo profundo por conforto e afetividade.
Meu maior interesse está em propor relações com as peças e assim possibilitar experiências sensórias que englobem o corpo do espectador,
tornando o trabalho mutável e, de certa maneira, vivo.
Algumas peças são confeccionadas como extensões simbólicas do meu próprio corpo, 

tornando possível experimentar os limites entre o eu e o outro."