Mariana Gonçalves, série "Corpo-jardim" (2019)

Técnica: tecidos de malha, moletom, soft, atoalhado, tule preenchidas com fibra acrílica, ímãs.

Dimensões: escala humana, dimensões variam de acordo com a peça.

Corpo-jardim

Corpo-jardim nasce da necessidade de explorar possibilidades sensoriais e visuais ligadas à sensação do corpo contido na forma circular. Orifícios, invólucros e buracos de tecido: a “pele” dessas estruturas envolvendo a pele humana e a forma primária do ser como ovo, zigoto, feto.

Com instalações interativas em escala humana abre-se um parque, um pátio, um jardim de possíveis meios de se enfiar.  São esses vácuos presentes, de textura macia, que gentilmente sussurram os contornos do corpo que englobam. Os volumes e as texturas procuram escavar subjetividades que apenas o corpo antes da mente, básico, primário, ainda detém.

A série Corpo-Jardim é composta por peças criadas como extensões simbólicas do meu próprio corpo, gerando a possibilidade de testar e explorar os limites entre o “eu”e o “outro” por meio da permissão ao toque. A resposta do público a esse corpo disponível e penetrável gera reflexões sobre abuso, violência e misoginia.

detalhes de cada peça:

brejo-21.jpg

Brejo

2019

tecido atoalhado, malha de algodão, tule e  fibra acrílica.

parte I

0,20m x 1m x 7m

parte II

0,20m x 1m x 4m

cy-1.jpg

Cy

2019

viscolycra, tecido soft e fibra acrílica. 

1,20m x 1,20m x 1m

dancers-4.jpg

Dancers

2019

moletom, fibra acrílica, ímãs e grãos de feijão

parte I

1,70m x 0,15m x 0,15m.
parte II:

1, 30m  x 0,15m x 0,15m.